2.12.12

Tempestade

[conto]

Havia no ar uma promessa de calor tropical; e outra, de tempestade iminente.


Um semblante sombrio descia a rua íngreme do Coliseu, certeiro e eriçado, num transe só seu. Ao fundo os prédios maciços da Avenida acompanhavam o seu humor nervoso, e a ânsia feroz de quem, impaciente, sustém a respiração até ao desenlace. O rapaz profetizava solenemente, a cada três passos, a perdição: o mundo acabaria nos próximos dois minutos e toda a cidade o esquecera. Egoisticamente (sabia-se sozinho), o fardo causador de toda a agitação caminhava a seu lado, quatro palmos mais à frente, seguro do seu papel de titã. Ele por sua vez, Zeus salvador, era totalmente impotente – e assim nada faria, por nada poder. Aquele colosso ditaria o final. A sua deixa na encenação seria a profecia do dilúvio (uma réstia fraquíssima de esperança assegurava-lhe que «não; da abundância!»... logo o saberia). No céu as trevas tomavam rapidamente o lugar ao dia. Num instante a guerra estava ganha, com os últimos focos de claridade a serem engolidos pelo bojo da tempestade em crescendo.

Começara a chover.

Já chove, concluiu o colosso. De facto. A sua óbvia constatação era um facto. Quando calada, aquela altivez dominadora, aguçada no olhar, mordaz na pose, tudo o que o excitava, o torso, os ombros, as pernas musculadas, os braços e o peito largo, carne, pura carne, pronto o ataque sanguinário à fonte do desejo – tão imenso, tudo e todo; fazia-o vibrar a uma magnitude máxima, apenas abalada por aquelas frases feitas.

Parou. Ao seu lado esquerdo estava a porta de um prédio velho que ele sabia ter um pequeno recanto para cafés e copos no último piso. Entra aqui, sim?, subimos ao último piso. Que há lá? Um café, e a vista.

Seguiu à sua frente. O hall sem luz dava para uma escadaria que caracolava até ao topo. Ao lado um elevador avariado, grafitado pelo desuso. O colosso tomou a dianteira, naturalmente seguro desse papel. Subia à sua frente. Estava escuro. As escadas eram estreitas, o ar pesado de cheiro a mofo. De novo, um assalto de terror tomou-lhe a força. Sentia o pulso aos nervos pelos arrepios da pele. Que corpo... Degrau a degrau, cada músculo se contorcia mais provocador, as pernas, as coxas, os glúteos, os ombros, os braços; o seu braço direito atirou-lhes uma mão esfaimada – parada num instante por um golpe de fé, ou de lucidez.

Respirou fundo. No primeiro andar olhou pelo janelão da escada. Triste cidade, o dilúvio vai-te engolir. Se eu tiver sorte, poupo-te o massacre, pensou – mas naquele preciso instante a sua impotência era extrema. Avistava ao longe. Havia uma incidência curiosa de sombra e nuvens sobre o torreão da Câmara. A mais alta e imponente construção das redondezas, símbolo de firmeza e do poder do homem afrouxava perante a ameaça que vinha de cima. Deitou as mãos aos bolsos, e um suspiro.

Flashou o primeiro relâmpago da noite – sentiu uma mão pousar no ombro. Que se passa? estás tenso. Gelou num segundo; recuperou no seguinte, as mãos libertas: Nada, vim ver a vista.
Virou-se para o colosso, também ele olhava a cidade condenada. Sem tirar os olhos do horizonte, declarou num tom grave,
Gosto de tempestades… Gosto da tensão que paira no ar. Vês ali, junto à torre? Se uma simples pena voasse entre aquelas superfícies, edifício e céu, tudo se libertaria.
Tudo o quê?
Toda a energia. A força acumulada. Toda a tensão.

Virou-se, e continuou a subir. Absolutamente fascinado, extasiado – o rapaz seguia-lhe as pisadas, faminto, delirante por aquele colosso provocante e provocador. Apurava a sua astúcia, tornava-se felino. Degrau a degrau, fôlego a fôlego ia reunindo fogos e forças de uma idade primitiva. Observava. O gingar posicionado das ancas, o fundo das costas torneando os ombros, a espádua larga, ... – inconscientemente, molhou os lábios, recuou um passo, flectiu as pernas, e, não viesse um novo janelão clarear-lhe o espírito, seguramente se teria feito leopardo, num ataque de garras, para devorar roupa e carne à presa que perseguia, alheia a tudo.

Na segunda janela viu no céu sobre o Coliseu um bando de aves negras voarem em círculo, duas vezes, três, e logo se dirigirem para a torre da Câmara. A penumbra era quase plena sobre a cidade. Estendeu a mão à luz dos candeeiros da rua: o sangue latejava nas veias como uma fornalha sedenta. Pulsava a um ritmo incendiário mas constante, fiável.
É o momento, pensou.

No novo lance de escadas o rapaz à sua frente subiu alguns degraus; súbito parou. Voltou-se. Esperou que o rapaz-leopardo o alcançasse. Encarou-o a poucos palmos, corpo a corpo. Encostou-se à parede, atirou o peito para trás, inclinou-se para a frente, as pernas alcançaram as do parceiro. Olhou-o. O animal selvagem à sua frente mal continha a fera dentro de si. Deitou de novo as mãos aos bolsos. O colosso examinou o acto: percebeu o intento, assustou-se; engoliu em seco. Por sua vez, enfiou também as mãos nos bolsos. Desviou o olhar. A presa sentia pela primeira vez o perigo. Leve – mas sibilante – arfava. Tornava-se ele agora o visionário, mas todas as profecias lhe falhavam. Adivinhava apenas uma. Estava perto.

O felino aproximou-se. O titã tirou as mãos dos bolsos, expectante. Mas o flash de um raio veio perturbar o feitiço; caiu a pose, deu meia volta e continuou a subida. Com olhos finos seguia-lhe os passos. A presa, já sem a graça de antílope nas pernas, caminhava a passos de cordeiro. No último degrau, junto à janela do terceiro piso, parou estanque. A noite era total. Reparou no estilhaço de um dos vidros à sua frente, aproximou-se. Fora trespassado por uma bala. Examinou com suavidade o dano. Procurava abstrair-se. Tinha caído na armadilha; ele, que pensava ter tudo sob o mais firme controlo. Não vislumbrava fuga possível. Espreitou então pelo buraco do vidro: num delírio viu o torreão da Câmara faiscar ao longe. Sentiu um toque áspero no peito. Levantou-se. Fugidio o relâmpago, um ardor junto ao pescoço; escutou gelado: «É agora».

Uma dentada fria no ombro e toda a raiva celeste se abria sobre a cidade, numa torrente apocalíptica. As mãos invadiram o peito, sentiu as garras ferirem-lhe os mamilos. Um segundo de espanto bastou para responder: tomou a força que a fera lhe reconhecia, fez-se alto e atirou-o contra a parede. Imobilizou-o. Sem pensar, pôs-lhe a mão nas calças. Ouviu um gemido envolvido num trovão. As pernas da fera entrelaçavam-se nas suas. Mas não consentiu a submissão. Descendo-o, abrindo as calças, obrigou-o a encarar o sexo. A fera assustou-se; não o esperava tão rápido. Gritou um «espera», mas logo se arrependeu. Ganhou coragem, salivou guloso. É agora, pensou.

Agora a chuva descia torrencial, o vento soprava contra os vidros. Pelo buraco ouviam-se os gritos do massacre. As luzes da torre brilhavam como nunca, e as nuvens por cima enegreciam de cólera e ele enrubescia de excitação. Tirara as calças, masturbava-se enquanto se digladiava com o sexo que o confrontava junto à face. De cócoras, agarrava-lhe o tronco das coxas, subia as mãos até aos glúteos, tensos, acariciava-lhe a pele macia do ventre. Tocava suavemente o ponto que sabia conceder-lhe um prazer proibido  O colosso vibrava com a labuta, e dominava firme a encenação. Ao sentir um espasmo percorrer o fundo das costas titânicas, a fera parou. Olhou para cima. De braços prostrados, apoiado na parede, ele arfava. Cansado, pedia uma pausa. Inaceitável, pensou. Dava o flanco ao inimigo. Aos seus postos: era a altura do contra-ataque.

Escapou por debaixo das pernas e num salto levantou-se. A mão preparava o sexo. Encostou-se ao parceiro. Despiu-lhe o casaco. Foi a vez dele: «espera!»; Shss, calma, e sentiu uma mão agarrar-lhe o pescoço, e com agilidade descer o peito e o abdómen até ao sexo, ainda por saciar.
A outra, mão esquerda, volta ao ponto antes tocado, aflorado, agora exercitado com delicada (dedicada) pressão e saliva. O colosso, novamente presa, olhava pela janela, mas o seu arfar embaciava o vidro. O único contacto com o mundo em perdição era o buraco estilhaçado. Com o olhar inconstante via a guerra de elementos que se travava lá fora, vento e chuva, céu e terra, Deus/Homem, dominação/subordinação.

Na centelha do instante, cai um raio sobre a Câmara; uma comoção de dor e prazer devora-lhe o ventre. Tenta resistir; aumenta o grito. Duas mãos agarram-lhe as coxas; uma escorrega para o sexo. Começa num arfar ritmado. Súbito, atingido por uma febre extasiante que lhe arranca gemidos prolongados em compasso rápido, resigna-se. Deixa-se levar. Aparta então mais as pernas. Arrisca, a medo, um olhar para trás: a besta fantástica agarra-lhe os quadris, trepa-lhe a espinha e manipula todos os seus movimentos com a mestria de um marionetista. Ao leme de uma grande nau, pensou, a tempestade era-lhe subserviente; e isso concedia um prazer extremo a que não estava habituado – a pose não lhe era costumeira, descondizia do seu estatuto de colosso. Fechou-se no embalo em que o conduziam as pernas da besta e, num suspiro abafado em gemidos, abençoou a sua submissão. Ao ouvi-lo, o marujo empolou-se, e esmerou a sua precisão de leopardo, rumo a bom porto. A presa expirou profundamente e num relance ainda conseguiu fisgar o mundo que se finava lá fora.

As rajadas de um vento diabólico arrancavam ramos de árvores enormes, figuras mais frágeis tombavam na rua e eram levadas pelos rios de água para o abismo da Avenida. Os prédios já muito deslavados pelas torrentes que se largavam dos céus ameaçavam ruir a qualquer instante. Mas a torre da Câmara resistia. Iluminada, apontava ao seu agressor. A base larga dava-lhe apoio firme, a praça soprava-lhe a respiração de pedra que a sustia. O último bastião de esperança da urbe resistia, resistia. Até ao final.

A chuva tornava-se intermitente, o vento soluçava em brisas. A tempestade afrouxava agora. Um último raio travou a meio o seu ataque, e recuou às cegas, desertor. Sobre a torre dissipava-se o tumulto. A luz lunar furava entre os farrapos das nuvens. A noite séria impunha-se sobre a cidade, numa colcha que cobria toda a devastação.

2 comentários:

João Roque disse...

Excelente conto homo-erótico numas escadas que conheço bem...embora não seja do Porto.
E saúdo o teu regresso à blogosfera.
Curiosamente, no meu blog publico também um conto homo-erótico, não da minha autoria e sem a intensidade deste; é apenas uma comicidade, mas que mostra uma certa verdade...

Michelle de Mattos França disse...

Exmo(a). Sr(a),

Eu, Psicóloga e estudante do Mestrado em Psicologia Clínica no Instituto Universitário de Ciências Psicológicas, Sociais e da Vida (ISPA), venho por este meio solicitar a sua participação e apoio na divulgação de um estudo sobre a Satisfação com as Relações de Compromisso em Portugal.

O objetivo deste estudo é compreender o impacto que os diferentes tipos de acordos relacionais têm na satisfação com a relação de compromisso.

Nós estamos neste momento no fim da recolha da amostra para este estudo. Porém, a subamostra que está menos representada é aquela composta por pessoas não-heterossexuais que estão comprometidas a uma relação de compromisso. Tendo como objetivo aumentar a representação desta subamostra, contamos com a sua ajuda para divulgar o nosso estudo de uma forma mais próxima e direta. Se puder ajudar-nos, isto trará uma grande mais-valia para a representação da subamostra de não-heterossexuais neste estudo.

O presente questionário destina-se a mulheres e homens com 18 anos de idade ou mais, que estão neste momento comprometidos a uma relação de compromisso.

A participação é totalmente anónima e confidencial e não serão recolhidos quaisquer dados identificativos dos participantes.

O questionário está disponível em: http://bit.ly/20528YN

Michelle França, investigadora responsável
E-mail: michelledemattos@hotmail.com
ISPA – Instituto Universitário de Ciências Psicológicas, Sociais e da Vida
Rua Jardim do Tabaco, n.º 34, 1149-041 Lisboa.

Agradeço desde já pela sua atenção.

Com os melhores cumprimentos,

Michelle.