30.3.11

Farley


Farley Granger foi, sem eu o ter percebido, o meu primeiro love affair do cinema.
Vi o Strangers on a Train aos 13 anos. Guy (a personagem de Granger no filme) era a criatura mais inocente e humana que me tinha aparecido até então no ecrã. Apaixonei-me instantaneamente (sei-o agora; na altura nem sequer sabia o que isso era, digo, apaixonar-me, e apaixonar-me por rapazes de olhos inocentes). Sim, porque a culpa dessa inocência é daqueles olhos. O Jimmy Dean tinha a segurança no olhar, o Farley tinha a inocência nos seus temerosos e carentes olhos castanhos.
Não há maldade quando ele mata a sangue frio no início do Rope. Fá-lo por amor a Brandon, o seu amante cínico e calculista, mais reverente às frias teorias nietzschianas e proto-fascistas, do que ao carente, temeroso e (have you ever bothered for just one minute to understand how someone else might feel?) inocente Phillip. Continua a ser das demonstrações de amor mais tocantes que já vi no cinema.
É o amor que os move também em They live by night. Ele, preso por um crime que não praticou, foge; ela, presa aos seus olhos desde que o encontra, sofre; são atraiçoados por gente que não acredita no bem e no amor. Mas como pode alguém viver num mundo que não acredita no bem e no amor?
A (idade da minha) inocência acabou juntamente com este affair.



Farley Granger
1925-2011

2 comentários:

pinguim disse...

Deste actor desconhecido da maior parte do público mais jovem, pois há muito não fazia cinema, há dois filmes fundamentais: "A Corda" de Hitchcock, de que falaste e um dos primeiros filmes com conotações homossexuais, de Hollywood, e um outro do grande Visconti, em que brilhava ao lado de uma das maiores actrizes que conheci (Alida Valli) e que se chamava "Senso".
Não sei se Granger chegou algum dia a assumir publicamente a sua homossexualidade, mas ela era falada no mundo do cinema.

pedro a. disse...

segundo este site, o próprio confirmou isso (bissexual, na verdade), há 4 anos, na sua autobiografia: http://www.afterelton.com/blog/2007/03/08/farley-granger-comes-out-officially :)

Eu sei! Falta o Senso aqui, claro, mas esse ainda não vi. Estou à espera de apanhá-lo no grande ecrã (não sei bem onde.. Cinemateca, talvez). Mas imaginar o Farley na pele de um oficial austríaco à la século XIX deixa-me logo com água na boca!