18.9.10

Clichés da noite

Já não é a primeira vez que isto me acontece; começo a achar que estou destinado a seguir esta vida, qual missão humanitária.

O menino vai para a noite, para um bar muito jeitosinho na Baixa. Começa com um destes, suave, fresco, e muito em conta naquele sítio, e, não tarda, está a falar com a gaja boa que serve ao balcão, só pela piada (pela ironia) da coisa. Subitamente começa a dar isto e o menino é puxado, as like an invisible hand, para o meio da pista; e começa a fazer magia. Mais uns instantes (hora e meia) de disco dancing, e mais três destes, e o menino vê-se em cima de um degrau, junto ao DJ, a ensinar uma boa centena de pessoas que o seguem com reverente admiração, a dançar isto.
God, o menino é triste; mas nem se sente assim tão mal hoje de manhã. Não fosse já uma e meia da tarde.

(não me insultem pensando que iria por aqui uma foto de ontem. E eu sou muito melhor que o gajo de camisa.)

1 comentário:

pedro a. disse...

Ontem, dia 8 de Outubro, voltou a acontecer - no mesmo sítio, pelos mesmos motivos..