28.2.11

Micro-cosmopolita

O cosmopolitismo das grandes metrópoles deve ser um mito (suburbano).

Em Hong Kong há uma revista gay gratuita, a DS Magazine. É um guia extremamente útil, para além de ter duas ou três reportagens que valem a pena ler. Ora, segundo a revista, este é o panorama queer da cidade: 18 bares, 17 saunas, 17 "massage places", 4 lojas (sex shops, roupa...), 2 "lesbian places" (as categorias são do guia, não minhas), 2 livrarias, uma agência de viagens e uma associação. 
Ainda estou para entrar num bar - não surgiu a oportunidade nem a companhia; saunas e massagens não são muito a minha onda; do resto interessa-me sobretudo as duas livrarias. Essas já as visitei.

A primeira, numa zona bem movimentada de Hong Kong, fica num apartamento de um complexo habitacional enorme. Não é raro procurarmos por lojas que ficam no apartamento D do 21º andar de um prédio para o qual se entra por uma porta estreita, esmagada entre um Starbucks e uma loja de produtos medicinais chineses. A tal livraria fica num destes apartamentos: uma sala minúscula iluminada por uma luz de hospital, uma secretária que apoia um homenzinho indiferente aos clientes que entram e, à volta - livros? Não; porno. Uma estante de DVDs, uma estante de dildos, um cabide com lingerie e roupa fetichista e, noutra estante, revistas - folhas de papel, algumas palavras, mas definitivamente não livros. Em frente à secretária há um corredor apertado que vai dar a uma sala com sofás. Hum, pois. Vim-me logo embora.
A segunda livraria, também metida nos confins de um complexo urbanístico, era uma loja de comics japoneses. Ou assim pensava, até que um gajo gordo que estava atrás do que parecia um guiché das finanças, a ver uma série americana aos berros; até que esse ser, dizia, me perguntou o que eu queria. Disse-lhe "gay books" (não adianta ter um discurso muito elaborado, nem eles percebem nem têm muita estima pela eloquência). Então, carrega numa buzina e abre uma porta de madeira invisível até àquela altura, que dava para o quarto onde ele estava sentado: outra divisão cheia de comics mas, desta vez, pornográficos. Havia também bastantes filmes (não porno), coisas muito óbvias e, ao contrário do que procurava, ocidentais; também posters, calendários, mais dildos e outros brinquedos. Livros livros, nem sinal deles. Ainda lá perdi algum tempo a ver se encontrava alguma coisa de interessante entre os comics. Mas, fechados em embalagens de plástico, e em japonês, não tive muita sorte. Eventualmente fartei-me e voltei para casa.

Cá temos: uma metrópole onde vivem 7 milhões de pessoas, o mercado mais liberal e dinâmico do mundo, um aglomerado civilizacional que gera apenas duas "livrarias" lgbt, empestadas de dildos e vídeos porno. Pergunto-me o que haverá nas sex shops?! Livros, talvez.
Não há melhor exemplo que possa sustentar o mito que referi na primeira linha. Lembro-me de há uns anos ter entrado numa livraria na Chueca, em Madrid, e de ter visto pela primeira vez, materializada à minha frente, a tão apregoada cultura queer, na forma de dezenas de estantes de livros, outras tantas de DVDs, música, vinis, cartazes, memorabilia, bandeiras, merchandising diverso, enfim. Dildos e porno também, num canto à parte; e até esta secção tinha bem mais gosto do que o que se vê por aqui. 
Pensei eu na altura - se Madrid é assim, como será em Londres, Berlim, Tóquio, San Francisco e Nova York? (e Hong Kong?)
Melhor, espero...

3 comentários:

pinguim disse...

Conheço essa livraria de Madrid, que penso chamar-se "Berkana".
E já visitei excelentes livrarias gay em Milão e Londres.
Agora isso que contas é mesmo uma fantochada, mas enfim.

Speedy disse...

será que existe um guia "underground"? esperava mais oferta de uma cidade dessa dimensão

pedro a. disse...

Obrigado pela referência, pinguim, fui agora ver o site deles. Fantástico! Antes de voltar a Portugal ainda lá dou um saltinho, na volta .

Infelizmente não me parece que haja esse escape ao óbvio, Speedy. Sabes, Hong Kong não é uma cidade com uma identidade definida. Há duas correntes que guiam a vida cultural da cidade: o mainstream ocidental (global?) e o tradicionalismo chinês. Se houver uma identidade terá de ser a que resulta do choque dessas duas tendências. A par disso pouco existe; nenhuma subcultura de relevo (étnicas, talvez, sendo a filipina a mais vincada), a cena artística é muito anémica, e "underground" é um conceito muito obscuro e desconhecido (underground em quinto ou sexto grau..).
Sim, também eu esperava mais.