7.4.11

Transexuais com super-poderes ao som de Donna Summer


Esta coisa bizarra veio directamente da Indonésia para o festival de cinema de Hong Kong, onde a vi. Não encontro o trailer legendado, mas também não faz falta: uma transexual é atacada por uma milícia homofóbica e, por força do acaso (ou sabe-se lá do quê), vai parar a uma escola de dança bastante invulgar, em que os dançarinos treinam segundo uma antiga arte marcial. Cedo os mestres da escola percebem o potencial da transexual, que se vai transformando na super-heroína Madame X.
O filme é muito fraco mas divertido, cheio de clichés tão previsíveis que chegam a ser kitsch. Se alguma vez o apanharem num festival qualquer vão vê-lo; mas levem companhia para a galhofa.

*
Há maus filmes e maus vinhos que vêm por bem.

Estávamos deitados na areia a olhar para o céu, já muito ensonados, e a noite ainda nem ia a meio. (Hão de reparar como é fácil embebedarmo-nos com mau vinho). Fomos às Filipinas de fim-de-semana num voo low cost que tinha como destino uma antiga base militar americana ao largo de Manila. Preferimos ficar nas praias perto do aeroporto do que aventurar-nos por este país lindíssimo mas muito perigoso. Num desse resorts, os hotéis, restaurantes e bares têm o hábito de organizarem beach parties nas noites de sexta e sábado. Estávamos deitados na areia, e atrás de nós, numa mega rave, filipinos extasiantes dançavam ao som de Shania Twain.
Agora que penso nisso, o vinho era mesmo fraco, que vergonha... A Shania acabava de cantar e eu acabava a garrafa. Vira o disco e toca Disco, agora! Não sei porquê, mas quando tocado pelo álcool fico extremamente susceptível a música dos anos 70. Deve ser um síndrome qualquer, meticulosamente explicado pela ciência moderna. Começo a ouvir a batida e, aos primeiros acordes inconfundíveis da Hot stuff, dou um salto, o último gole, e parto a correr para a rave.
Gotta have some hot stuff, gotta have some love tonight! Hi there, (abro os olhos: está um miúdo filipino a dançar ao meu lado) do you wanna come dance with us? Hm, claro, obrigado! So, where are from, what's your name, and all that jazz? (é tão difícil conseguir separar a fala da música naquele estado), ..., E vocês, estão aqui de férias? Yeah, just for the weekend, we're students. (reparo nos amigos: o twink, duas raparigas castiças, e um lady boy mais alto e mais entroncado do que eu; porém, surpreendentemente, até bastante feminino). Hum, I have to tell you something: I'm gay. Sim, eu sei. You do? How?! Pela maneira como sempre que te viras para falar comigo me percorres a mão da perna até à barriga; mas não faz mal. Eheh, yeah, sorry about that. (depois o lady boy puxa-me para dançar com ele(a?), acaba a música, que salta uma década, e depois outra, e outra, e eu despeço-me e volto para a areia). Adormeço a ouvir o mar.

Às voltas em Manila, vemos quão naturalmente cartazes de pornografia homossexual convivem com merchandising católico de santos e crucifixos. 80% da população é católica e, entre estes, muitos transexuais (como o da noite anterior e o do filme), sem dúvida. Não parece haver problema de maior. Aliás, a religião parece ser ela também uma espécie de rave sagrada: passamos por uma igreja que anunciava num mega-cartaz uma "glorious party to celebrate God's awesomeness!". Nas Filipinas o Sumo Pontífice reconhecido não é certamente o Bento, mas o Barney.

Fui ao bar gay mais em voga de HK. Uma miséria, minúsculo e previsível. Numa das paredes vi o mesmo cartaz porno que tinha visto em Manila.


[Sobre as Filipinas: é um país pobre e subdesenvolvido, mas não ao ponto da miséria. A maioria das pessoas tem casa e não passa fome, e o clima (quente e húmido) é favorável às culturas do arroz e do milho. Os principais problemas são a segurança e a corrupção. O Estado é incapaz de garantir a ordem nas ruas, e é comum verem-se seguranças privados armados com shotguns.]

[Em Hong Kong as pessoas vivem nos 40s e 50s andares dos muitos arranha-céus, têm malas da Louis Vitton e vão jantar fora todos os dias. A cidade tem um dos PIBs per capita mais altos do planeta.]


(não sei, de facto, qual o panorama legal actual da questão LGBT, tanto nas Filipinas como em Hong Kong; vou ter que investigar isso. No entanto, não deixa de ser curiosa a discrepância aparente entre a armariada HK e a espalhafatosa Manila. Mas isso não quer dizer nada, claro.)

1 comentário:

pinguim disse...

Adorava ver este "Madame X", que deve ser muito mais que "kitsh" deve ser "camp"!
Ou seja super divertido.
Houve um belíssimo filme com a Lana Turner (adorava essa loira), que se chamava assim em português.

Sobre a tua ida às Filipinas e às considerações sobre HK, é sempre agradável saber coisas de lugares diferentes e distantes.